O combustível a nutrir a união de todos eles é o sentimento de enfrentar e derrotar o governador Ricardo Coutinho – Por Walter Santos

Publicado por:

Publicado em :

15749855_1301594636563366_183036359_n

OPOSIÇÃO SE CONFRATERNIZA RENOVANDO ALIANÇA

Foi o senador José Maranhão, como anfitrião, o articulador de encontro a envolver outros líderes – Cássio Cunha Lima, Rômulo Gouveia e Luciano Cartaxo – de Oposição ao Governador Ricardo Coutinho, em noite que acabou celebrando a renovação de propósitos entre eles para manter a Aliança estabelecida e vitoriosa em João Pessoa e Campina Grande no futuro próximo.

Esta é a síntese da novidade gestada na noite de quarta-feira última de dezembro de 2016 ainda com a presença do vice-prefeito diplomado Manoel Junior e o deputado federal Pedro Cunha Lima. Ficou evidente que o combustível a nutrir a união de todos eles é o sentimento de enfrentar e derrotar o governador Ricardo Coutinho.

Maranhão, inclusive, foi quem reverberou a síntese da postura e interpretação deles na direção do governador: “ninguém vence sem fazer alianças com densidade”, como a querer alfinetar seu adversário de hoje a dizer que ele está isolado. E está?

UNIÃO COM PROPÓSITOS DISTINTOS

Embora seja real a cumplicidade entre os líderes políticos de Oposição, ainda não há consenso entre eles sobre quem será o candidato da aliança ao Governo em 2018. Os três líderes – Maranhão, Cassio e Luciano – desfrutam de potencial, cada um à sua maneira, mas mesmo com menções de Unidade até lá há, sim, interesse diferenciado.

Por exemplo: na última fase de dezembro, Luciano chegou a achar que Cássio liderava um movimento de desestabilização com a iniciativa de Manoel Junior de querer se manter na Vice-prefeitura e com Foro na Câmara Federal e ainda na eleição de Marcos Vinicius na Câmara de João Pessoa, mas o bom senso acabou prevalecendo sobre o ruído político entre eles porque inexistia a conspiração.

Do outro lado, Maranhão se mantém nutrindo o desejo de ser candidato ao governo, cuja postulação Cassio não descarta muito menos Luciano – este tomado por esse projeto.

Leia Também:   Deca deseja sair da qualidade de coadjuvante na política, para ter seu próprio espaço - Por Rui Galdino

É PRECISO MAIS

O fulcro, a essência de um projeto de Oposição vai exigir muito mais que desejos político-partidários. Até 2018 muitos fatores ainda devem influenciar no contexto, desde a situação nacional, onde eles são avalistas de Michel Temer até a própria composição estadual/municipal porque o adversário tem força.

Qual é o projeto de Futuro que eles propõe? – cuja resposta inexiste hoje porquanto sequer há tempo para a construção neste sentido, que só deve se dar no decorrer dos tempos.

Mas sem projeto convincente nada prospera.

SÍNTESE

O fato é que a oposição tem convicção de que somente a manutenção da Aliança construída em 2016 pode gerar as condições de musculatura para enfrentar o governador em 2018 com perspectiva e/ou chance.

Mas é preciso dar tempo ao tempo porque muita água ainda há de rolar.

Fonte: WSCOM

Créditos: Walter Santos


Compartilhe esta notícia com os seus amigos


Comentários

Comentários