“Cartaxo teve sangue-frio para mudar de campo político num momento de incertezas”: Por Flávio Lúcio

Publicado por:

Publicado em :

cartaxo psd

Ter sangue-frio na política não é para qualquer um. Paciência também. O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, anunciou hoje sua desfiliação do PT. Ele passa a compor os quadros do Partido Social Democrático (PSD).

Ao fazer isso, Cartaxo não resistiu ao medo de enfrentar em João Pessoa o governador Ricardo Coutinho sem ter a certeza de contar com o apoio formal do PSDB de Cássio Cunha Lima.

Numa conjuntura nacional em que tanto o PT quanto o governo federal se mostram acuados pelo cerco midiático.

Cartaxo viabiliza aliança com PSDB em 2016

O novo partido de Luciano Cartaxo tem pouca ou quase nenhuma identidade política e ideológica com o PT, mesmo compondo a base de apoio do governo de Dilma Rousseff.

O seu presidente é Gilberto Kassab, que foi vice-prefeito e prefeito de São Paulo eleito quando ainda pertencia aos quadros do antigo PFL (ex-PDS, ex-Arena), depois Dem.

O PSD foi criado como ponte para atrair deputados filiados a partidos oposicionistas, especialmente Dem e PSDB, que não conseguiam sobreviver longe do governo. O presidente do PSD na Paraíba, Rômulo Gouveia, por exemplo, era um tucano-cassista quando se filiou ao partido.

Portanto, Cartaxo faz mais que uma mudança partidária. Ele muda também de campo político no país, e em momento de muita incerteza e de reconfiguração da própria esquerda.

Ao optar por se compor com partidos mais à direita do espectro político nacional, Cartaxo abandona não apenas a disputa com o PSB pela base social do campo da esquerda, que é expressiva numa cidade como João Pessoa. Ele permite que ela se unifique contra ele.

Por isso, o governador Ricardo Coutinho tem muito a ganhar com a saída de Cartaxo do PT.

Leia Também:   “Senhores poderosos” dos tempos de hoje! No fim o sujeito chora, se entristece, se arrepende e se desespera - Por Rui Galdino

No anúncio feito hoje, Cartaxo esqueceu de avisar a plateia que estava entregando de bandeja o apoio do PT – que tem o maior tempo de TV e governa o país, lembremos disso, – ao governador Ricardo Coutinho, que agradece sorridente presente tão inesperado,

Ou alguém acha que o PT vai ficar mudo diante da atitude de Cartaxo. O PT vai fazer a prefeito pessoense uma pesada crítica política, especialmente por conta do fortalecimento da aliança com os tucanos.

E com a viabilização do apoio formal do PSDB ao ex-petista, Cartaxo acaba também contribuindo em outros aspecto com a estratégia de RC, que desde o início do ano procura empurrá-lo para a posição que ele, finalmente, assumiu hoje, isolando-o à direita e aliado ao mais legítimo tradicionalismo político paraibano.

RC vai reproduzir em João Pessoa, no próximo ano, a polarização que o levou à vitória por ampla margem na cidade, em 2014.

Enfim, a decisão de Luciano Cartaxo de sair do PT apenas é o corolários de uma trajetória pendular que ele incorporou desde que sentou na cadeira de prefeito.

E ela pode mostrar outra coisa: que a vitória de Cartaxo em 2012 não foi mais que um relâmpago em um dia ensolarado.

PS. Com sua saída do PT, Cartaxo praticamente esvazia a candidatura de Manoel Jr., que depende muito do apoio de Cásiso e do PSDB para se viabilizar.

A questão agora é saber se José Maranhão também está nesse acordo, o que é muito difícil, mas não impossível. Caso Maranhão não esteja, o enfraquecimento de Manoel Jr. pode levar o PMDB de volta para os braços do PSB. É o que veremos nas próximas semanas.

Leia Também:   Por que querem o “impeachment” de Gervasinho, neto de João e filho de Gervásio? - Por Rui Galdino

 


Compartilhe esta notícia com os seus amigos


Comentários

Comentários