Protesto de hoje em João Pessoa tem mais de 30 mil apoiadores no Facebook

Publicado em :

foto

Previsto para começar às 16 horas de hoje, o protesto “Avante João Pessoa” registrou manifestações de apoio de 31 mil pessoas no Facebook, com o compromisso de participar do ato público. A Polícia Militar montou um esquema de segurança para acompanhar as manifestações, comércio e repartições fecharão mais cedo e ruas serão interditadas. O secretário de Segurança Pública, Cláudio Lima, advertiu que não aceitará ações criminosas durante o protesto. Os policiais não usarão armas letai, mas estão instruídos para garantir a tranquilidade pública e proteger prédios contra a ação de vândalos que estiverem infiltrados no movimento de protesto contra preços de passagens de ônibus, em sintonia com a mobilização detonada em várias capitais, inclusive, com o registro de incidentes.

A Polícia Militar vai utilizar todo o efetivo da capital e região metropolitana, além de reforço de batalhões policiais de Itabaiana e Guarabira. Será um efetivo numeroso, mas por questão de estratégia o secretário negou-se a divulgar a quantidade dos que vão integrar o contingente policial. Cláudio Lima avalia que se trata de uma situação única. “É a primeira vez que se vê um movimento surgir de forma espontânea e sem cabeça. É o maior evento do país mesmo”, acentuou. O secretário garantiu que os bairros não ficarão sem policiamento. Os policiais que ficarão de fora do contingente no protesto portarão armas convencionais para a eventualidade de distúrbios mais graves. “A manifestação tem um foco e a polícia tem vários. O principal é manter o caráter pacífico, mas ninguém se iluda de achar que quem cometer algum crime estará impune”, prosseguiu.

A seccional paraibana da Ordem dos Advogados do Brasil, atendendo a um ofício do Conselho Federal, disponibilizará uma equipe de advogados para realizar atendimento gratuito a manifestantes, policiais e toda a população, em caso de violação de direitos. Vinte e seis membros da instituição estarão apostos para qualquer chamado, prontificando-se a ingressar com habeas corpus se ocorrer alguma prisão arbitrária. A direção da entidade deixou claro que não defenderá manifesantes que promovam ações de vandalismo durante a marcha. As manifestações vão se estender por cidades do interior, como Campina Grande, Pombal, Sousa e Cajazeiras. Além de reivindicar o passe livre e a redução das tarifas de ônibus, os manifestantes irão protestar contra a corrupção. A orientação dos organizadores é no sentido de que os participantes compareçam de camisas brancas, levando cartazes e flores.

A Câmara de Diretores Lojistas de João Pessoa recomendou o fechamento dos estabelecimentos comerciais do centro da capital, principalmente no Parque Solon de Lucena e imediações a partir das 15 horas. Alguns órgãos públicos, como o Tribunal de Justiça da Paraíba, anunciaram a redução do expediente. Faculdades e escolas devem liberar alunos mais cedo. O estudante de geografia Enver José, da UFPB, que integra o movimento, destacou que os manifestantes organizaram uma comissão especial para coibir qualquer ação violenta dentro do protesto. A previsão é de caos no trãnsito. A expectativa é de que a mobilização siga pela Lagoa do Parque Solon de Lucena, retorne ao Liceu e desça para a avenida Epitácio Pessoa. Diversos sindicatos estão engajados à iniciativa, fornecendo, inclusive, carros de som para o trajeto. Uma logomarca do protesto foi feita pelo artista Shiko, com o lema: “Não é por centavos, é por direitos”.

RepórterPB

Comentários

Comentários