Alguns Municípios da Paraíba estão trabalhando formas para resolver o problema do descarte de resíduos sólidos. Segundo levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), metade da Paraíba joga lixo in natura a céu aberto e os gestores devem encontrar soluções para proteger o meio ambiente e orientar a população.

Alagoa Nova, Arara, Algodão de Jandaíra, Barra de Santa Rosa, Esperança, Matinhas, Remígio e São Sebastião de Lagoa de Roça integram o Consórcio de Resíduos Sólidos da Borborema, com a finalidade de criar um aterro sanitário regional e acabar com os lixões.

Leia Também:   COLETA DE LIXO NA CAPITAL: Catão disse que suspensão de licitação é 'normal' quando há denúncias de irregularidades
Lixo

O prefeito de Alagoa Nova e presidente do consórcio, Aquino Leite, recebeu nesta sexta-feira (8) representantes e gestores de municípios consorciados para tratar sobre o tema. Foram discutidos: apresentação das áreas visitadas; solicitação de vistoria técnica da Sudema; valores da área indicada; abertura de crédito especial no exercício de 2019; e questões administrativas.

Segundo o que foi exposto, a sugestão é que áreas visitadas na Zona Rural de Remígio sejam analisadas para que se tornem espaço para fazer o depósito de lixo dos municípios do consórcio.

Uma das ideias é que, dentro dos municípios, seja feita a seletividade dos resíduos sólidos, o que seria uma espécie de “usina de compostagem”, para gerar ocupação e renda, com mão de obra de catadores locais e aproveitamento de resíduos para a criação de adubo natural.

O assunto ainda segue sendo debatido e também deverá ser discutido entre gestores municipais e a Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup).